Dos Liceus aos Institutos Federais: 110 anos de história da rede federal

Ana Kelly Arantes, Márcia Helena Batista Corrêa da Costa

Resumo - visualizações: 292


Este artigo tem por objetivo fazer um percurso histórico, demonstrando o caminho do ensino técnico no Brasil ao longo dos diversos momentos e governos do país, alinhando as legislações pertinentes e ações legais desta modalidade. Iniciou-se este percurso ainda no Brasil escravocrata, passando pelos Liceus, primeiras instituições de educação técnica de nível federal, até a criação dos Institutos Federais, em 2008, quando, por meio da criação destes, na primeira vez na história do Brasil, tem-se a pretensão de uma educação técnica que visa a uma formação integral, que supere as marcas históricas trazidas pela modalidade, como uma educação fragmentada, puramente tecnicista e voltada simplesmente a atender interesses do mercado, tendo sido preterida ao lugar de uma educação menor. Destacaram-se, portanto, os Institutos Federais, que compõem a Rede Federal de Educação Tecnológica, como a grande mudança de perspectiva com relação à educação técnica e profissional. Fez-se um breve panorama do desenvolvimento desta Rede nos seus 10 anos de história, e, por último, um recorte no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG), demonstrando os campi criados e seu desenvolvimento. Para a realização do artigo, empregou-se metodologia de cunho qualitativo e, uma análise documental, tendo por base documentos oficiais e legislações pertinentes a cada momento histórico percorrido. Foi produzida, também, uma revisão de literatura, recorrendo aos diversos autores que se debruçam sob o tema. Os resultados demonstram que a educação, como um projeto em disputa, e mais especificamente a educação profissional, sofre os atravessamentos tanto no seu cotidiano como em âmbitos legais, sendo que o artigo vem apontando historicamente estes desdobramentos.

Palavras-chave: Educação técnica e profissional. Histórico. Institutos Federais. 

From Liceus to Federal Institutes: 110 years of federal network history

Abstract 

The article aims to make a historical course, demonstrating the path of technical education in Brazil throughout the various moments and governments of the country, aligning the relevant laws and legal actions of this modality.This route began in slave-like Brazil, passing through the Lyceums, the first federal level technical education institutions, until the creation of the Federal Institutes in 2008, when through their creation, for the first time in the history of Brazil, The intention is for a technical education that aims at integral formation, which surpasses the historical marks brought by the modality, such as a fragmented education, purely technical and simply aimed at meeting market interests, having been deprecated to the place of a minor education. Therefore, the Federal Institutes, which make up the Federal Network of Technological Education, stood out as the great change in perspective regarding technical and vocational education. A brief overview of the development of this Network in its 10 years of history was presented, and finally a clipping at the Federal Institute of Education and Technology of Minas Gerais (IFMG), showing the campuses created and their development. For the realization of the article a qualitative methodology was used, a documental analysis based on official documents and pertinent legislation at each historical moment. A literature review was also produced, using the various authors that address the theme. The results show that education as a project in dispute, and more specifically vocational education, suffers the intersections both in its daily life and in legal areas, the article has historically pointed out these developments.

Keywords: Technical and professional education. Historic. Federal Institutes.


Palavras-chave


Educação técnica. Formação integral. Institutos Federais

Texto completo:

PDF

Referências


BIAGINI, Jussara. Revisitando momentos da história do ensino técnico. 2001. Disponível em: http://www.ufop.br/ichs/conifes/anais/EDU/edu1713.htm. Acesso em: 10 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Expansão da Rede Federal. 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec-programas-e-acoes/expansao-da-rede-federal. Acesso em: 10 abr. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei N. 1.606, de 29 de dezembro de 1906. Crêa nas capitães dos Estados da Republica Escolas de Aprendizes Artifices, para o ensino profissional primário e gratuito. Decreto N. 7.566, de 23 de setembro de 1909. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/decreto_7566_1909.pdf. Acesso em: 09 maio. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Decreto-Lei N. 4.073, de 30 de janeiro de 1942. Lei orgânica do ensino industrial. 1942a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/1937-1946/Del4073.htm. Acesso em: 06 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Decreto N. 4.127, de 25 de fevereiro de 1942. Estabelece as bases de organização da rede federal de estabelecimentos de ensino industrial. 1942b. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4127-25-fevereiro-1942-414123-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 06 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei N. 3.552, de 16 de fevereiro de 1959. Dispõe sobre nova organização escolar e administrativa dos estabelecimentos de ensino industrial do Ministério da Educação e Cultura, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L3552.htm. Acesso em: 19 maio. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei N. 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1961b.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L4024.htm. Acesso em: 09 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei N. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o Ensino de 1º e 2º Graus, e dá outras Providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5692.htm. Acesso em: 15 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei N. 11.892 de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso em: 09maio. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Decreto-Lei N. 547, de 18 de abril de 1969. Autoriza a organização e o funcionamento de cursos profissionais superiores de curta duração. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/Del0547.htm. Acesso em: 13 abr. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei N. 6.545 de 30 de junho de 1978. Dispõe sobre a transformação das Escolas Técnicas Federais de Minas Gerais, do Paraná e Celso Suckow da Fonseca em Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6545.htm. Acesso em: 15 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei N. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf. Acesso em: 15 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei N. 8.948 de 8 de dezembro de 1994. Dispõe sobre a instituição do Sistema Nacional de Educação Tecnológica e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8948.htm. Acesso em: 03 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei N. 3.864-A, de 24 de janeiro de 1961. Cria as Escolas Agrícolas de Bambuí e Cuiabá, nos Estados de Minas Gerais e Mato Grosso, e uma Escola de Engenharia em Uberlândia, Minas Gerais. 1961a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/L3864-A.htm. Acesso em: 15 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Decreto N. 63.923, de 30 de dezembro de 1968. Eleva à categoria de Colégio o Ginásio Agrícola de Bambuí, no Estado de Minas Gerais. 1968. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-63923-30-dezembro-1968-405341-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 8 abr. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Decreto N. 83.935, de 4 de setembro de 1979. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1970-1979/decreto-83935-4-setembro-1979-433451-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 9 abr. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Decreto N. 87.310, de 21 de Junho de 1982. Regulamenta a Lei n° 6.545, de 30 de junho de 1978, e dá outras providências. Diário Oficial [da] União - Seção 1 - 23/6/1982, Página 11496. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1980-1987/decreto-87310-21-junho-1982-436668-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 11 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei Nº 11.195 de 18 de novembro de 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11195.htm. Acesso em: 03 mar. 2019.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino industrial-manufatureiro no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 14, p. 89-107, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a06. Acesso em: 01 mar. 2019.

CURY, Carlos Roberto Jamil; TAMBINI, Maria Ignez Saad Bedran e SALGADO, Maria Umbelina Caiafa. A profissionalização do ensino na Lei no 5692/71. Brasília: Inep, 1982.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia e sua Relação com o Ensino Médio Integrado e o Projeto Societário de Desenvolvimento (2003-2014). Rio de Janeiro, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (FAPERJ), 2016. 444 p. Disponível em: https://www.academia.edu/37753809/Institutos_Federais_de_Educa%C3%A7%C3%A3o_Ci%C3%AAncia_e_Tecnologia_rela%C3%A7%C3%A3o_com_o_ensino_m%C3%A9dio_integrado_e_o_projeto_societ%C3%A1rio_de_desenvolvimento. Acesso em: 10 mar. 2019.

KUENZER, Acácia Zeneida. Ensino de 2º grau: o trabalho como princípio educativo. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1992. 166 p.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley; PRONKO, Marcela Alejandra. O mercado do conhecimento e o conhecimento para o mercado: da formação para o trabalho complexo no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: EPSJV, 2008. 204 p.

MARTINS, Marcos Francisco. Ensino técnico e globalização: cidadania ou submissão? Campinas: Autores Associados, 2000.

MINAS GERAIS. Instituto Federal. Histórico. 2019. Disponível em: https://www.ifmg.edu.br/portal/sobre-o-ifmg/historico-e-missao. Acesso em: 10 maio 2019.

PACHECO, Eliezer. Institutos Federais Lei 11.892 de 29/11/2008: comentários e reflexões. Natal: IFRN, 2009.

RAMOS, Marise Nogueira. História e política da educação profissional. Curitiba: Instituto Federal do Paraná, 2014. (Coleção formação pedagógica; v. 5).

ROMANELLI, Otaíza de O. História da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 1983. 267 p.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 152-180, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n34/a12v1234.pdf. Acesso em 13 de maio 2019.

SILVA, Jackson Ronie Sá, ALMEIDA, Cristóvão Domingos de, GUINDANI, Joel Felipe. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, Rio Grande. , v. 1, n.1, p. 1-15, 2009. Disponível em: https://www.rbhcs.com/rbhcs/article/view/6. Acesso em: 14 maio 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.29069/forscience.2019v7n2.e697

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexada em:

                    

          

ISSN 2318-6356

Licença Creative Commons
ForScience: Revista Científica do IFMG   http://formiga.ifmg.edu.br/forscience é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

SalvarSalvarSalvarSalvar