Etiquetas inteligentes na administração pública: análise da viabilidade no controle patrimonial da UNIVASF

Cátia Valéria dos Santos Passos Brito, Welson Barbosa dos Santos, Cristiane Xavier Galhardo, Vivianni Marques Leite dos Santos

Resumo - visualizações: 180


A realização de um inventário não é uma tarefa fácil, principalmente em universidades federais, que possuem muitos bens permanentes. A gestão patrimonial é realizada através de procedimentos de identificação, tombamento, localização, contagem, preservação e desfazimento de bens. Devido a grande quantidade de informações e necessidade de segurança, confiabilidade e celeridade nos processos, deve-se buscar alternativas para melhorar a gestão, reduzir índices de não conformidades e aprimorar o planejamento de compras. O sistema RFID (Radio-Frequency Identification), por exemplo, funciona por meio da comunicação via radiofrequência, com uso de um chip passivo inserido em etiqueta inteligente. Dessa forma, o objetivo deste artigo é analisar a viabilidade do uso da tecnologia RFID para o aperfeiçoamento da gestão patrimonial na Universidade Federal do Vale do São Francisco - Univasf por meio do levantamento de suas vantagens, desvantagens e custos para implantação. Para isto, são realizadas pesquisas em periódicos e bases de patentes, além da realização de entrevistas e análise documental. Entre os principais resultados, constata-se que o processo de gerenciamento de bens da Univasf é realizado de forma manual e desgastante para servidores membros de comissão, para a qual são convocados sem consulta prévia, verificando-se ainda que os prazos são, comumente, ultrapassados. Por outro lado, o custo para implantação do sistema RFID para controle do número atual de bens da Univasf corresponde a apenas 0,78% do valor alocado para as ações orçamentárias referentes às despesas correntes e investimentos, constituindo fatores favoráveis a sua aquisição pela Instituição.

Palavras-chave: Radiofrequência. Gestão patrimonial. Universidades públicas. Internet das coisas. 

Smart tags in the public administration: feasibility analysis in thepatrimonial control of the UNIVASF

Abstract

The construction of an inventory is not an easy task, especially at federal universities, which have many permanent assets. The patrimonial management is carried through procedures of identification, tipping, localization, counting, preservation and undoing of assets. Due to the large amount of information and the need for security, reliability and speed in the processes, alternatives should be sought to improve management, reduce nonconformity rates, and improve procurement planning. The RFID (Radio Frequency Identification) system, for example, works by means of radio frequency communication, using a passive chip inserted in a smart tag. Thus, the objective of this paper is to analyze the feasibility of using RFID technology to improve asset management at the Federal University of Vale do São Francisco -Univasf by surveying its advantages, disadvantages and costs for implementation. For this, research is carried out in journals and patent bases, as well as interviews and document analysis. Among the main results, it can be seen that Univasf's asset management process is carried out manually and exhausting for commission member servers, to which they are summoned without prior consultation, and it is also verified that the deadlines are commonly outdated. On the other hand, the cost of implementing the RFID system to control Univasf's current number of assets corresponds to only 0.78% of the amount allocated to budget actions related to current expenses and investments, constituting favorable factors for their acquisition by the Institution.

Keywords: Radiofrequency. Patrimonial Management. Public universities. Internet of things.

 


Palavras-chave


Radiofrequência; Gestão Patrimonial; Universidades; Tag; Internet das coisas

Texto completo:

PDF

Referências


ACORDO DE ESTRASBURGO. 24 mar 1971. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/informacao/classificacao-patentes. Acesso em: 16 out. 2018.

ALBIERO, Helton Jaques; SILVA, Marcelo Rodrigues da. Economicidade, eficiência e transparência nas compras públicas via pregão eletrônico: estudo de caso dos pregões eletrônicos 42/2012 e 32/2013 realizados pelo IFPR – Campus Assis Chateaubriand. ForScience: revista científica do IFMG, Formiga, v. 6, n. 1, e00275, jan./jun. 2018.

ANDRADE, Menezes Ailson. (ailson.andrade@univasf.edu.br). Relatório Comissão de Inventário de Bens Patrimoniais-2015. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por (welson.santos@univasf.edu.br) em 25 set. 2018.

BERNARDES, José Francisco. Gestão Patrimonial: Materiais Permanentes e Bens Móveis. Florianópolis: Imprensa Universitária, 2009.

BERTAGLIA; Paulo Roberto. Tecnologia da informação aplicada à logística. Revista Mundo Logística, v. 34, p. 31, mar./abr. 2013.

BRASIL. Lei n. 4.320, de 17 de março de 1964. Estatui normas gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Brasília: Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, 1964. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4320.htm. Acesso em: 17 out. 2018.

BRASIL. Secretaria de Administração Pública da Presidência da República - SEDAP/PR. Instrução Normativa nº 205, de 08 de Abril de 1988. Objetiva racionalização e minimização de custos do uso de material no âmbito do SISG através de técnicas modernas que atualizam e enriquecem essa gestão com as desejáveis condições de operacionalidade, no emprego do material nas diversas atividades. Disponível em: http://www.comprasnet.gov.br/legislacao/in/in205_88.htm. Acesso em: 17 out. 2018.

COSTA, Alexsander Muniz da. RFControl: sistema de gerência de estoque utilizando RFID. 2018. 48 f. Monografia (Graduação em Engenharia de Computação) – Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, João Monlevade, 2018. Disponível em: http://www.monografias.ufop.br/handle/35400000/821. Acesso em: 19 jun. 2019.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

HODGES, Steve; MCFARLANE, Duncan. Radio frequency identification: Technology, applications and impact. Cambridge: Cambridge University UK, Auto-ID Lab, 2005.

IDTECHEX. RFID progress at Wal Mart. Apr. 2, 2005. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Disponível em: https://gru.inpi.gov.br/pePI/jsp/patentes/PatenteSearchBasico.jsp. Acesso em: 19 jun. 2019.

LANDT, J. The history of RFID. IEEE Potentials, v. 24, n. 4, p. 8–11, 2005.

MOROZ, R. Understanding Radio Frequency Identification (RFID). Understanding Radio, 2004. Disponível em: http://www.rfidcanada.com/rfid.html. Acesso em: 27 jul. 2019

MOTA, Rafael Perazzo Barbosa. RFID - Radio Frequency Identification. 2012. Monografia (Trabalho acadêmico da disciplina Computação Móvel) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação, Instituto de Matemática e Estatística, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

NARCISO, Marcelo Gonçalves. Aplicação da tecnologia de identificação por rádio frequência (Rfid) para controle de bens patrimoniais pela web. Global Science and Technology, v. 1, n. 1, 2008.

ODA, Glauco. O que é RFID: etiquetas RFID no controle patrimonial. AfixCode Patrimônio e Avaliações. São Paulo, 2014. Disponível em: http://www.afixcode.com.br/o-que-e-rfid-etiquetas-rfid-controle-patrimonial/. Acesso em: 17 out. 2018.

PREDIGER, D.; SILVEIRA, S. R.; FREITAS, E. P. Modelo de aplicabilidade de sistema RFID para rastreabilidade na indústria alimentícia. Revista de Sistemas e Computação – RSC, Salvador, v. 6, n. 1, p. 3-14, jan./jun. Disponível em: http://www.revistas.unifacs.br/index.php/rsc/article/view/3620. Acesso em: jul. 2019.

GLOSSÁRIO. RFID Journal Brasil, 2019. Disponível em: http://brasil.rfidjournal.com/glossario. Acesso em: 17 out. 2018.

RODRIGUEZ, L.; HUERTA, M.; ALVIZU, R.; CLOTET, R. Overview of RFID technology in Latin America. Proceedings of the 6th Andean Region International Conference, Andescon 2012, p. 109–112, 2012.

ROUSSOS, George. Enabling RFID in retail. Computer, v. 39, n. 3, p. 25-30, 2006.

SANGHERA, Paul. RFID: study guide and practice exam. Massachusetts: Syngress Publishing, 2007.

SANTINI, A. G. RFID: conceitos, aplicabilidades e impactos. Rio de Janeiro: Ciência

Moderna, 2008.

SILVA, Bruno Cesar. (bruno.cezar@univasf.edu.br). Inventário patrimonial exercício 2018: nova metodologia de trabalho [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por (catia.valeria@univasf.edu.br) em 25 set. 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF. Plano de Desenvolvimento Institucional-PDI-2016-2025. Petrolina, 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF. Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional. Ato Normativo 001/2018 – PROPLADI: inventário anual – exercício 2018: orientações e procedimentos. Petrolina, 2018. Disponível em: http://portais.univasf.edu.br/propladi/documentos-da-propladi. Acesso em: 18 out. 2018.

USTUNDAG, A.; TANYAS, M. The impacts of Radio Frequency Identification (RFID) technology on supply chain costs. Transportation Research Part E: Logistics and Transportation Review, v. 45, n. 1, p. 29-38, 2009.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.29069/forscience.2019v7n2.e661

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexada em:

                    

          

ISSN 2318-6356

Licença Creative Commons
ForScience: Revista Científica do IFMG   http://formiga.ifmg.edu.br/forscience é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

SalvarSalvarSalvarSalvar