Análise de viabilidade da utilização do óleo de dendê na lubrificação automotiva através do ensaio pin-on-disk.

Erickson Fabiano Moura Sousa Silva, Sillas Oliveira Cezar, Aparecido Carlos Gonçalves, Paulo Roberto Rocha Matos Filho, Gabriel Alves Costa

Resumo - visualizações: 189


Alternativas que reduzam a dependência da matriz energética mundial aos derivados do petróleo são discutidas cada vez mais. Existe uma grande quantidade de dados acadêmicos relacionando consequências perniciosas ao meio ambiente devido a indústria de petróleo e seus componentes refinados. A substituição dos óleos a base mineral pela base vegetal é uma medida seguindo essa tendência. O óleo vegetal é uma substância biodegradável com a capacidade comprovada de ser decomposta em um intervalo de até um ano, o que faz com que seja um produto menos tóxico e agressivo ao meio ambiente do que os de base minerais. O óleo vegetal escolhido para esse trabalho foi o de dendê, por ser um óleo popularmente conhecido na culinária brasileira, principalmente baiana. É um dos óleos vegetais mais consumidos no mundo, atrás apenas dos óleos de soja e canola. O objetivo desse estudo foi comparar as propriedades e comportamentos do óleo mineral 15w-40 com o óleo de dendê através de um ensaio PIN-ON-DISK com presença do filme de óleo. Após os ensaios, os óleos utilizados foram analisados através dos dados de espectrometria, ferrografia, viscosidade de Saybolt, monitor de partículas ferrosas e dos sinais coletados pelo software, gerados pelo tribômetro. Pelos resultados obtidos, observou-se que o lubrificante vegetal, óleo de dendê, tem grande potencial para ser usado na substituição do óleo mineral. Os dados apresentaram a real possibilidade da utilização do óleo livre de qualquer tipo de tratamento adicional a fim de torná-lo mais eficiente, como mistura de aditivos ou envelhecimento.

Palavras-chave: Tribologia. Lubrificante vegetal. Desgaste.

Viability analysis of the use of dende oil in automotive lubrication through the pin-on-disk test

Abstract

Alternatives that reduce the dependence of the world energy resources on mineral oil derivatives are increasingly discussed. There is a great deal of academic data relating pernicious consequences to the environment due to the oil industry and its refined components. The substitution of mineral based oils for the vegetable base is a measure following this trend. Vegetable oil is a biodegradable substance with a proven ability to decompose within an interval up to one year, making it a less toxic and environmentally aggressive product than mineral based ones. The vegetable oil chosen for this study is extracted from the palm tree (Elaeisguineenses). This oil is popularly known in Brazilian cuisine, mainly in Bahia. It is one of the most consumed vegetable oils in the world, soy and canola oils are in the upper positions. The objective of this study was to compare the properties and behaviors of 15w-40 mineral oil against palm oil through a PIN-ON-DISK test with presence of the oil film. After the tests, the oil used was analyzed using spectrometric, ferrography, Saybolt's viscosity, ferrous debris monitor data and signals from the tribometer collected by the software. From the results obtained, it was observed that the palm oil lubricant has great potential to replace mineral oil. The data showed the real possibility of using palm oil without any additional treatment in order to make it more efficient, such as mixture of additives or artificial aging.

Keywords: Tribology. Vegetable lubricant. Wear.


Palavras-chave


Tribologia; Lubrificante Vegetal; Desgaste.

Texto completo:

PDF

Referências


ACHCAR, Karina. Investigação da possibilidade de utilização de lubrificantes vegetais em motores de combustão interna: ensaios em equipamentos pin-on-disk. 2015. 112f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Ilha Solteira, 2015.

ALVES, Fernando Ribeiro. Desenvolvimento de um tribômetro, tipo cilindro sob disco, para ensaios tribológicos em formulações com óleos vegetais. 2014. 133 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Ilha Solteira, 2014.

ARAÚJO, L. A. de. Desenvolvimento de formulações cosméticas contendo óleos vegetais para proteção e reparação capilar. 2015. Dissertação (Mestrado em Medicamentos e Cosméticos) - Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015. doi:10.11606/D.60.2015.tde-04052015-154442.

BÍROVÁ, A.; PAVLOVIČOVÁ, A.; CVENROŁ, J.. Lubricating oils based on chemically modified vegetable oils. JOURNAL OF SYNTHETIC LUBRICATION, [S.I.], v. 18, n. 4, p.291-299, jan. 2002. Wiley. http://dx.doi.org/10.1002/jsl.3000180405

CAMPESTRE; O óleo e o homem. Disponível em: http://www.campestre.com.br/o-oleo-e-homem/. Acesso em 15 de dezembro de 2016.

CANCIAM, César Augusto. Efeito da temperatura na viscosidade dinâmica dos óleos lubrificantes SAE 5W20, SAE 5W30 E SAE 5W40. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 11, n. 2, p.239-250, ago. 2013.

HENKES, Jairo Afonso; LEBID, Taras. Óleo de dendê na produção de biodiesel: um estudo de caso das vantagens e desvantagens econômica, ecológica e social da cultura desta oleaginosa para a produção de biodiesel. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 392-415, 2015.

JOST, H. Peter. Lubrication (tribology) education and research. London: HMSO, 1966, p. 4.

MARU, Marcia Marie. Estudo do desgaste e atrito de um par metálico sob deslizamento lubrificado. 2003. 22 f. Tese (Doutorado em Engenharia Mecânica) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

MELO, Maria Andrea Mendes Formiga. Avaliação das Propriedades de Óleos Vegetais visando a Produção de Biodiesel. 2010. 118 f. Dissertação (Mestrado em Química) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010.

NORTON, Robert Lloyd. Mancais de rolamento e lubrificação. In: NORTON, Robert Lloyd. Projeto de Máquinas: uma abordagem integrada. 4. ed. Rio de Janeiro: Bookman, 2013. p. 543-597.

OSAKI, Mauro; BATALHA, Mario Otavio. Produção de biodiesel e óleo vegetal no Brasil: realidade e desafio. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 13, n. 2, p. 227-242, 2011.

RADI, Polyana Alves; SANTOS, Lúcia Vieira; BONETTI, Luiz Francisco; TRAVA-AIROLDI, Vladimir J. Tribologia, conceitos e aplicações. In: ANAIS DO 13º ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUÇÃO DO ITA (XIII ENCITA). XIII., São José dos Campos. Anais [...]. São José dos Campos: Instituto Tecnológico de Aeronáutica, 2007.

RAMOS, Luiz P. et al. Biodiesel: Raw Materials, Production Technologies and Fuel Properties. Revista Virtual de Química, [S.l.], v. 9, n. 1, p.317-369, 2017. Sociedade Brasileira de Química (SBQ). http://dx.doi.org/10.21577/1984-6835.20170020.

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ (SEDUC). Lubrificação industrial. Fortaleza, 2011. 69 p. Disponível em: https://www.seduc.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/37/2011/10/mecanica_lubrificacao_industrial.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2016.

SILVA, José André Cavalcanti da. Obtenção de um lubrificante biodegradável a partir de ésteres do biodiesel da mamona via catálise enzimática e estudos de estabilidades oxidativa e térmica. 2012. 188 f. Tese (Doutorado em Engenharia Química) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

SILVEIRA, J. L.; MACIEL, W. da C.; MOURA, A. S. da. Ensinando o estudo técnico e a averiguação da viscosidade rotulada de óleos lubrificantes comercialmente disponíveis: aplicação em motores de combustão interna e componentes mecânicos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA, XXXII., 2004, Brasília. Anais... Brasilia: . 2004. p. 1 - 12.

SINATORA, Amilton. Tribologia: um resgate histórico e o estado da arte. 2005.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

SOUZA, Antônio Cirilo de. Fundamentos da mecânica automotiva. São Paulo: Senai SP, 2014.

STOETERAU, Rodrigo Lima. Tribologia. Florianópolis: UFSC, 2004.

TEXACO. Fundamentos de lubrificação automotiva. Rio de Janeiro: Texaco, 2005.

WHITBY, R. D. Understanding the global lubricants business : regional markets, economic issues and profitability. Oxford, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.29069/forscience.2019v7n2.e636

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexada em:

                    

          

ISSN 2318-6356

Licença Creative Commons
ForScience: Revista Científica do IFMG   http://formiga.ifmg.edu.br/forscience é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

SalvarSalvarSalvarSalvar