Avaliação do tempo de atendimento de um centro municipal público de saúde por meio de modelos de simulação

Tatiane Katheryne Castro Alves, Marcos Antônio Alves, Nichollas Emanuel do Nascimento Alves

Resumo - visualizações: 56


O objetivo deste artigo foi analisar o tempo de atendimento de um centro municipal público de saúde por meio de modelos de simulação. Para isso foi realizada uma pesquisa de campo em consonância com observações não-participativas in loco. O modelo observado foi construído no software Arena e foi desenvolvido com base no fluxo de pacientes atendidos nos módulos de assistência conferidos à organização, considerando os intervalos de chegada, especialidade médica procurada e necessidade de exames. Os resultados encontrados revelaram baixo tempo de atendimento e que, a princípio, não há necessidade de intervenções para suprir o tempo de espera dos pacientes. Entretanto, foi constatado que os recursos humanos disponíveis estão a maior parte do tempo ociosos, o que permitiu fazer proposições para a melhoria da saúde pública do município, como realocação de recursos e campanhas de prevenção a doenças. Os condicionantes para esses resultados são a existência de um planejamento diário da quantidade de atendimento, o pré-agendamento das consultas e que a unidade de saúde está localizada em um munícipio com poucos habitantes.

Palavras-chave: Tempo de atendimento de pacientes. Centro público de saúde. Simulação de Eventos Discretos. Arena.

Abstract

Evaluation of the attendance time of a public health municipal center by means of simulation models

The aim of this paper was to analyze the time of care of a municipal public health center by means of simulation models. To this purpose, a field research was carried out in consonance with non- on-site observations. The observed model was built in the Arena softwareandwas developed based on the flow of patients assisted in the modules conferred to the organization, considering the arrival intervals, the medical specialty sought and the necessity for exams. The results showed low attendance time of care and that, at first, there is no need for interventions to supply patients’ waiting time. However, it was verified that the available human resources are most of the time idle, which allowed to make proposals for the improvement of the public health of the municipality, such as reallocation of resources and campaigns to prevent diseases. The determinants for these results are the existence of a daily planning of the medical attendance, pre-scheduling and that the health center is located in a municipality with few inhabitants.

Keywords: Patients care time. Public health center. Simulation of Discrete Events. Arena.


Palavras-chave


Tempo de Atendimento. Teoria das Filas. Simulação de Processos. Centro Público de Saúde. Arena.

Texto completo:

PDF

Referências


ALIYU, A. I.; SULAIMAN, T. A.; YUSUF, A. Modeling and Simulation Analysis of Health Care Appointment System using Arena. International Journal of Science and Applied Information Technology, India, v. 4, n. 1, 2015.

AMBRÓSIO, C. W.; SILVA, L. B. da; MONTENEGRO, L. C. M. Modelo computacional para análise do desempenho de um processo semicontínuo de distribuição de gás Linz-Donawitz. Gestão & Produção, São Carlos, v. 17, n. 3, p. 525-536, 2010.

AMIDANI, L. R. A teoria das filas aplicada aos serviços bancários. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 15, n. 5, p. 26-38, 1975,

ANDRADE, K. L. C.; FERREIRA E FERREIRA, E. Avaliação da inserção da odontologia no Programa Saúde da Família de Pompéu (MG): a satisfação do usuário. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 123-130, 2006.

BAHADORI, M. et al., E. Using queuing theory and simulation model to optimize hospital pharmacy performance. Iranian Red Crescent Medical Journal, Iran, v. 16, n. 3, 2014.

BELCIUG, S.; GORUNESCU, F. Improving hospital bed occupancy and resource utilization through queuing modeling and evolutionary computation. Journal of biomedical informatics, [S.l.], v. 53, p. 261-269, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 1.820, de 13 de agosto de 2009. Dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 ago. Secção 1, p. 80. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt1820_13_08_2009.html. Acesso em: 07 maio. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema Único de Saúde. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/sistema-unico-de-saude. Acesso em: 10 maio. 2018.

CAMELO, G. R. et al. Teoria das filas e da simulação aplicada ao embarque de minério de ferro e manganês no terminal marítimo de ponta da madeira. CADERNOS DO IME - Série Estatística, Rio de Janeiro, v. 29, p. 01-16, 2010.

CHAVES, A. L. de F. et al. Estudo da teoria das filas em um sistema médico-hospitalar na cidade de Belém-PA. Revista Eletrônica Pesquisa Operacional para o Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 175-186, 2012.

CHWIF, L.; MEDINA, A. C. Modelagem e simulação de eventos discretos: teoria e aplicações. 3. ed. São Paulo: Ed. do Autor, 2010.

CHWIF, L.; MEDINA, A. C. Modelagem e Simulação de Eventos Discretos: teoria e aplicações. 4. ed. São Paulo: Elsevier Brasil, 2014.

DIKE, D.; OBIORA, V.; EZE, C. Improving congestion control in data communication network using queuing theory model. IOSR J. Electr. Electron. Eng, India, v. 11, n. 2, p. 49-53, 2016.

FIGUEIREDO, D. D.; ROCHA, S. H. Aplicação da teoria das filas na otimização do número de caixas: um estudo de caso. Iniciação Científica CESUMAR, Curitiba, v. 12, n. 2, p. 175-182, 2010.

FOGLIATTI, M. C.; MATTOS, N. M. C. Teoria de Filas. Rio de Janeiro: Interciência, 2007.

FRANCO, S. C.; CAMPOS, G. W. de. S. Avaliação da qualidade de atendimento ambulatorial em pediatria em um hospital universitário. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 61-70, 1998.

FREITAS FILHO, P. J. de. Introdução à modelagem e simulação de sistemas com aplicações em Arena. 2. ed. Florianópolis: Laura Carvalho, 2008.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GONÇALVES, A. A. Gestão da capacidade de atendimento em hospitais de câncer. 2004. 204 f. Tese (Doutorado em Ciências em Engenharia de Produção) - Pós-Graduação em Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

GOLDWASSER, R. S. et al. Difficulties in access and estimates of public beds in intensive care units in the state of Rio de Janeiro. Revista de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 50, 2016.

KLOETZEL, K. et al. Controle de qualidade em atenção primária a saúde. A satisfação do usuário. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 263-268, 1998.

LIMA, F. X. C.; BELDERRAIN, M. C. N. Propostas de melhorias de atendimento num Pronto Socorro utilizando Teoria de Filas e Teoria de Restrições. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA (XIII ENCITA), 13., 2007, São José dos Campos. Anais... São José dos Campos: Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), 2007.

LIMA, V. C. de et al. Aplicação da teoria das filas em serviços bancários. Revista Produção Online, Santa Catarina, v. 16, n. 1, p. 210-241, 2016.

LONGHINI, T. M. et al. Uso de simulação de eventos discretos para a análise de atendimento de pequeno varejo. Revista Tecnologia e Sociedade, Curitiba, v. 13, n. 28, p. 171-190, 2017.

LUO, L.; LIU, H.; LIAO, H.; TANG, S.; SHI, Y.; GUO, H. Discrete Event Simulation Models for CT Examination Queuing in West China Hospital. Computational and mathematical methods in medicine, United Kingdom, v. 2016, 2016.

MADEIRO, R. C. V. Crise na saúde pública. Revista Jurídica Consulex, 2013. Disponível em: http://oabce.org.br/2013/08/artigo-crise-na-saude-publica/. Acesso em: 07 maio. 2018.

MARCELINO, D. M. et al. Simulação: um estudo de caso de um hospital municipal no estado de São Paulo. INOVAE: Journal of Engineering, Architecture and Technology Innovation, v. 3, n. 2, p. 34-45, 2016.

MARINHO, A. Um estudo sobre as filas para internações e para transplantes no sistema único de saúde brasileiro. Texto para discussão, n. 1055, Instituto de Pesquisas Econômicas Avançadas (IPEA), nov. 2004. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/1899/1/TD_1055.pdf. Acesso em: 11 set. 2018.

MARINHO, A. Um estudo sobre as filas para transplantes no Sistema Único de Saúde brasileiro. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, p. 2229-2239, 2006.

MELO, J. V.; FERREIRA, J. da S.; JUSTA, M. A. O. da. Modelagem e simulação com o Arena para reduzir filas em um restaurante self service. Revista Gestão Industrial, Ponta Grossa, v. 13, n. 2, p.146-159, ago. 2017.

MOIMAZ, S. A. S. et al. Satisfação e percepção do usuário do SUS sobre o serviço público de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, p. 1419-1440, 2010.

MORABITO, R.; LIMA, F. C. R. de. Um modelo para analisar o problema de filas em caixas de supermercados: um estudo de caso. Pesquisa Operacional, Rio de Janeiro, v. 20, n.1, p. 59-71, 2000.

MUSTAFA, S.; UN NISA, S. A Comparison of Single Server and Multiple Server Queuing Models in Different Departments of Hospitals. Journal of Mathematics, United Kingdom, v. 47, n. 1, p. 00.00, 2015.

MUTHARASAN, R. K. et al. Heart Failure Care Transitions: A Queuing Theory Approach to Match Variable Hospital Discharge Rate With Outpatient Clinic Capacity. Circulation: Cardiovascular Quality and Outcomes, United States, v. 9, n. 2, 2016.

OLIVEIRA, F. de. F. d et al. Análise de Teoria das Filas: sistema de filas de um serviço de pronto atendimento. Anais da Engenharia de Produção, Santa Catarina, v. 1, n. 1, p. 37-46, 2017.

PADOVAN, A. G. et al. Aplicação da pesquisa operacional para análise do atendimento em agência da previdência social. Tekhne e Logos, v. 7, n. 3, p. 16-28, 2016.

PARAGON DECISION SCIENCE. Software Arena. 2018 Disponível em: http://www.paragon.com.br/softwares/arena/. Acesso em: 10 maio. 2018.

PRADELLA, S. Gestão de processos: uma metodologia redesenhada para a busca de maior eficiência e eficácia organizacional. Revista Gestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 13, n. 2, p. 94-121, 2013.

PRADO, D. Usando o Arena em simulação. 5. ed. Nova Lima: Falconi, 2004.

PRADO, D. Teoria das filas e da simulação. 6. ed. Minas Gerais: Falconi, 2017.

PRODANOVI, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RAMOS NETO, A. N.; PINTO, L. R. Template do programa Arena para simulação das operações de carregamento e transporte em minas a céu aberto. REM: Revista Escola de Minas, Ouro Preto, v. 57, n.1, p. 65-69, 2004.

ROCHA, E. B.; PIMENTEL, M.; DINIZ, M. C. Quantidade de participantes em bate-papo educacional: um modelo baseado em Teoria de Filas. Revista Brasileira de Informática na Educação, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 31-44, 2015.

SAKURADA, N.; MIYAKE, D. I. Aplicação de simuladores de eventos discretos no processo de modelagem de sistemas de operações de serviços. Revista Gestão & Produção, São Carlos, v. 16, n. 1, p. 25-43, 2009.

SANTOS, M. P. dos. Avaliação da qualidade dos serviços públicos de atenção à saúde da criança sob a ótica do usuário. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 48, n. 2, p. 109-119, 1995.

TAKAGI, H.; MISUE, K.; KANAI, Y. Queuing network model and visualization for the patient flow in the obstetric unit of the University of Tsukuba Hospital. In: CONFERENCE GLOBAL, SRII, 2014, San Jose. Anais... San Jose, CA, USA, IEEE, 2014.

TORRES, O. F. Elementos da teoria das filas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 6, n. 20, 1966.

WANG, S. et al. Explore of the hospital management of Simulation Education learning model. Journal of Engineering Technology and Education, United States, v. 7, n. 4, p. 640-649, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.29069/forscience.2019v7n1.e459

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexada em:

                    

          

ISSN 2318-6356

Licença Creative Commons
ForScience: Revista Científica do IFMG   http://formiga.ifmg.edu.br/forscience é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

SalvarSalvarSalvarSalvar