O Gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde no Brasil

Manoela Sobreira Sodré, Carlos Fernando Lemos

Resumo - visualizações: 1633


O objetivo deste trabalho é verificar o panorama brasileiro quanto ao manejo dos resíduos dos serviços de saúde. Trata-se de um estudo documental, realizado de janeiro a abril de 2017, com buscas bibliográficas em base de dados on line, e levantamento de informações dos últimos Censos Demográficos dos anos 2000 e 2010, a Pesquisa Nacional de Saneamento Básico de 2000 e 2008 publicados em 2002 e 2010, ambos realizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS). Houve um aumento no número de municípios que coletam seus Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) entre 2000 e 2008. No entanto 23% dos municípios em 2008 não realizavam o tratamento adequado dos seus RSS, apesar disso houve a diminuição de queimas a céu aberto, e um aumento no uso das tecnologias de processamento. No último registro feito em 2008 mais da metade dos municípios brasileiros (61%) ainda destinavam seus RSS em vazadouros juntamente com outros resíduos ou outros tipos irregulares de disposição final. O tratamento dos efluentes dos serviços de saúde é um problema ambiental ainda não solucionado. A disposição de medicamentos em redes de esgoto gera dúvidas diante de uma regulamentação deficiente. Pode-se concluir que o Brasil ainda tem muito que avançar no Gerenciamento dos RSS. Cabe assim, aos órgãos regulamentadores oferecerem um amparo legal eficiente, e asàs autoridades fiscalizadoras cumprirem com o seu papel. Aos serviços geradores espera-se que ocorra um reconhecimento da importância de um manejo adequado dos seus RSS gerados. 

Palavras-chave: Saúde ambiental. Gestão de resíduos. Plano de gerenciamento.

The management scenario of health care waste in brazil

Abstract

The objective of this study is to verify the Brazilian scenario regarding the management of health care waste. It is a documentary study, conducted in January 2017, with bibliographical searches in online databases and information collection of the last Demographic Census of the years 2000 and 2010, National Survey of Sanitation Basic of 2000 and 2008 published in 2002 and 2010, both carried out by the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE) and data from the National Sanitation Information System (SNIS). There was an increase in the number of municipalities that collect their Health Services Waste (HSW) between 2000 and 2008. Howewer, 23% of the municipalities in 2008 have not  been treated in the treatment of their HSW programs yet, but despite this fact, there has been a decrease in sky burns open, and an increase   the use of processing technologies. In the last registration made in 2008, more than half of the Brazilian municipalities (61%) still allocated their RSSs to the leaks along with other waste or other irregular types of final disposal. The treatment of effluents from health services is an environmental problem that has not been solved yet. The provision of drugs in sewage networks raises doubts about poor regulation. It can be concluded that Brazil still has much to advance in HSW Management. It is, therefore,  the role of the regulatory bodies to offer effective legal protection, and the supervisory authorities comply with their role. Generating services are expected to recognize the importance of proper management of their generated HSW.

Keywords: Environmental health. Waste Management. Management plan.


Palavras-chave


Saúde ambiental. Gestão de resíduos. Plano de gerenciamento.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10.004: resíduos sólidos: classificação. Rio de Janeiro, 2004.

______. NBR 16457: logística reversa de medicamentos de uso humano vencidos e/ou em desuso: procedimento. Rio de Janeiro, 2016.

______ . NBR 13221: transporte terrestre de resíduos. 5. ed. Rio de Janeiro, 2017a.

______. NBR 14619: transporte terrestre de resíduos perigosos: incompatibilidade química. 7 ed. Rio de Janeiro, 2017b.

ASSOCICAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2016. São Paulo: 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada nº 306, de 07 de dezembro de 2004. [Brasília, 2004]. Disponível em: < http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/res0306_07_12_2004.pdf/95eac678-d441-4033-a5ab-f0276d56aaa6>. Acesso em: 05 set. 2018.

______. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 358, de 29 de abril de 2005. Publicação do Diário Oficial da União nº 084, de 04/05/2005, págs. 63-65. [Brasília, 2005].

______. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

______. Ministério do Meio Ambiente. Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei 12.305 de 02 de agosto de 2010: série legislação n. 81. 2. ed. Brasília : Câmara dos. Deputados, Edições Câmara, 2012.

______. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 430, de 2011. Publicação do Diário Oficial da União nº 92, de 16/05/2011. [Brasília, 2011].

BOHNER, L. O. L.; BOHNER, T. O. L.; ROSA, M. B. da. Aspectos legais no gerenciamento de resíduos sólidos de serviços de saúde. Revista Eletrônica do Curso de Direito – UFSM, v. 8, p. 583-593, 2013. Disponível em: . Acesso em: 11 de fevereiro de 2017.

CUSSIOL, N. A. de M. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Belo Horizonte: FEAM, 2008. Disponível em: . Acesso em: 22 de março de 2017.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. A gestão de resíduos no ambiente hospitalar: legislação e tecnologias. FIESP, São Paulo, 2010. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2017.

FERREIRA, E. R. Gestão Integrada e Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde na UGRHI – PP. Revista Geografia Acadêmica, Roraima, v.8, n.1, p. 81-93, jul. 2014.

GOMES, L. P.; ESTEVES, R. V. R. Análise do sistema de gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde nos municípios da bacia hidrográfica do rio dos sinos, Rio Grande do Sul, Brasil. Engenharia Sanitária Ambiental, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 377-384, out./dez. 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2000. Rio de Janeiro, 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2017.

______. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2008. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2017.

______. Censo Demográfico 2000. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2017.

______. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2017.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONOMICA APLICADA. Caderno de diagnóstico: resíduos sólidos de serviços da saúde. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em:

______. Relatório de pesquisa: boas práticas de gestão de resíduos sólidos urbanos e de logística reversa com a inclusão de catadoras e de catadores de materiais recicláveis. Rio de Janeiro, 2015.

MAVROPOULOS, A. Estudo para a Gestão dos Resíduos dos Serviços de Saúde no Brasil: relatório final. Atenas: EPEM S.A, 2010. Disponívelem:. Acesso em: 13 de março de 2017.

NAIME, R.; RAMALHO, A. H. P.; NAIME, I. S. Avaliação do sistema de gestão dos resíduos sólidos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v. 9, n.1, p.1-17, dez. 2008.

NOVI, J. C.; OLIVEIRA, S. V. W. B. de; JUNIOR, A. P. S. Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS): abordagem normativa e Política Nacional de Resíduos Sólidos. Revista Desarrollo Local Sostenible – Delos, v. 6, n. 18, p. 1-18, out. 2013.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Guia para o manejo interno de resíduos sólidos em estabelecimentos de saúde. Brasília: Organização Pan-americana de Saúde, 1997.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO. Série Histórica: resíduos sólidos. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 de março de 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Better health care waste management: an integral component of health investiment. Geneva, 2005.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Waste from health: care activities. Geneva, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.29069/forscience.2018v6n2.e422

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexada em:

                    

          

ISSN 2318-6356

Licença Creative Commons
ForScience: Revista Científica do IFMG   http://formiga.ifmg.edu.br/forscience é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

SalvarSalvarSalvarSalvar