Do ecodesenvolvimento ao desenvolvimento sustentável: a trajetória de conflitos e desafios para o meio ambiente

Alex Eduardo Lopes, Ana Carolina Toledo Rocha, Amanda Oliveira Lima, Denise Aparecida Antunes, Elder Magno Gava Ferrão, Arnaldo Freitas de Oliveira Júnior

Resumo - visualizações: 3560


O século XX foi marcado por avanços científicos e conquistas tecnológicas que levaram a humanidade a um novo patamar de produção e consumo. Resultados da revolução industrial e das duas grandes guerras, esses avanços trouxeram muitos benefícios, mas não sem um preço. A velocidade em que essa nova sociedade crescia, produzia e consumia, começou a deixar impactos severos nos ecossistemas naturais. Além disso, a disparidade entre as nações desenvolvidas e subdesenvolvidas revelou marcas profundas na relação entre pobreza e meio ambiente, evidenciando que o modelo de desenvolvimento vigente não se sustentaria por muito tempo. Coube às Nações Unidas o papel de mobilizar as lideranças mundiais para discutirem soluções visando um novo tipo de desenvolvimento que preservasse os limites do planeta. Conflitos políticos foram inevitáveis. O reestabelecimento dos diálogos veio com o relatório “Nosso Futuro Comum”, da Comissão Brundtland, que criou o conceito de desenvolvimento sustentável. A partir disso, a agenda ambiental se tornou objeto importante na definição de novos estudos e políticas, atrelando o crescimento econômico ao modelo sustentável. O objetivo desse estudo é promover uma reflexão sobre o contexto histórico do desenvolvimento sustentável a partir de sua gênese até o momento atual.

Palavras-chave: Recursos naturais. Crescimento econômico. Relatório Brundtland.

From eco-development to sustainable development: he journey of conflicts and challenges for the environment

Abstract

The twentieth century was marked by scientific advances and technological achievements that have led humanity to a new level of production and consumption. Results of the industrial revolution and two world wars, these advances have brought many benefits, but not without a price. The speed at which this new society grew, produced and consumed, began to make profound impacts on natural ecosystems. Moreover, the disparity between rich and poor nations has revealed deep marks in the relation between poverty and environment, showing that the current development model does not sustain for long. The UN's role in this period was to mobilize world leaders to discuss and seek solutions for a new type of development that does not degrade natural resources irreversibly, and preserve the planet's limits. Political conflicts were inevitable. The reestablishment of dialogue came with the report "Our Common Future", the Brundtland Commission, which created the concept of sustainable development. From this, the environmental agenda became an important object in the definition of new studies and policy, linking economic growth to sustainable model. The aim of this study is to promote a reflection on the historical context of sustainable development from its genesis to the present time.

Keywords: Natural resources. Economic growth. Brundtland report.


Palavras-chave


Recursos naturais; Crescimento Econômico, Relatório Brundtland; Desenvolvimento Sustentável

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, J. A. L. Relações internacionais e temas sociais: a década das conferências. Brasília: Instituto Brasileiro de Relacões Internacionais (IBRI), 2001.

ANGELSEN, A. The poverty-environment thesis: was Brundtland wrong?. Forum for Development Studies, n. 1, p. 135-154, 1997.

BARBOSA, G. S. O desafio do desenvolvimento sustentável. Revista Visões, v. 4, n. 1, p.1-11, jan./jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 06 abr. 2016.

BARROS, R. P.; HENRIQUES, R.; MENDONÇA, R. A estabilidade inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil. In: HENRIQUES, R. (Org.). Desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2000. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2016.

BECKER, D. F. et al. Desenvolvimento Sustentável: necessidade ou possibilidade? Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2002.

CHIARINI, T. Pobreza e meio ambiente no Brasil urbano. Economia-Ensaios. Uberlândia, v. 20, n. 2 e v. 21, n.1, p. 7-33, jul./dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2016.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

DALY, H. E. Crescimento sustentável? Não, obrigado. Ambiente & Sociedade, v. vii, n. 2, jul./dez. 2004. Disponível: . Acesso em: 09 maio 2016.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2004.

DOVERS, S. R.; HANDMER, J. W. Uncertainty, sustainability and change. Global Environmental Change. v. 2, n. 4, p. 262-276, 1992. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2016.

DURAIAPPAH, A. Novo índice vai medir a qualidade do crescimento dos países. Entrevistadora: J. Arini. Rio de Janeiro, 2012. Entrevista concedida ao site da Veja. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2016.

FEIJÓ, C.; VALENTE, E.; CARVALHO, P. Além do PIB: uma visão crítica sobre os avanços metodológicos na mensuração do desenvolvimento socioeconômico e o debate no Brasil contemporâneo. Estatística e Sociedade, Porto Alegre, n. 2, p. 42-56, nov. 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2016.

FOLADORI, G. Avanços e limites da sustentabilidade social. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, n. 102, p. 103-113, jan./jun. 2002. Disponível em: . Acesso em: 09 maio 2016.

GAVARD, F. M.P. Do impasse ao consenso: um breve histórico do conceito de desenvolvimento sustentável. Revista Sociais e Humanas, Santa Maria, v. 22, n. 2, 2009. Disponível em: < http://periodicos.ufsm.br/sociaisehumanas/article/view/1175 >. Acesso em: 18 abr. 2016.

GUIMARÃES, R.; FONTOURA, Y. Muito ruído e poucas vozes: os discursos na RIO+20 e a governança global para o desenvolvimento sustentável. Ideias, Campinas, n. 5, 2o semestre, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). IDS - Indicadores de Desenvolvimento Sustentável: Brasil 2002. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2016.

______. Indicadores de Desenvolvimento Sustentável: Brasil 2015. Rio de Janeiro, 2015. 352 p. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2016.

LABUSCHAGNE, C.; BRENT, A.C. Sustainable project life cycle management: the need to integrate life cycles in the manufacturing sector. International Journal of Project Management, v. 23, n. 2, p. 159-168, 2005.

LAGO, A. A. C. D. Estocolmo, Rio, Joanesburgo: o Brasil e as três Conferências Ambientais das Nações Unidas. Brasília: Instituto Rio Branco (IRBr): Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG), 2006. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2016.

LÉLÉ, S. M. Sustainable development: a critical review. World Development, v. 19, n. 6, p. 607-621, 1991. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2016.

LOURENÇO, M. L.; CARVALHO, D. Sustentabilidade social e desenvolvimento sustentável. Revista de Administração, Contabilidade e Economia, Unoesc, v.12, n.1, p.9-38, jan./jul. 2013. Disponível em:

< http://editora.unoesc.edu.br/index.php/race/article/view/2346>. Acesso em: 10 maio 2016.

LOUETTE, A. Indicadores de nações: uma contribuição ao diálogo da sustentabilidade. 1. ed. São Paulo: Antakarana Cultura Arte Ciência Ltda./Willis HarmanHouse, 2009, 114 p. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2015.

MATTOS, E. S. Desenvolvimento sustentável: uma análise histórica. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n. 9, dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2016.

MEADOWS, D; RANDERS, J; MEADOWS, D. Limites do crescimento: a atualização de 30 anos. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2007.

MENDES, J. M. G. Dimensões da sustentabilidade. Revista das Faculdades Santa Cruz, v. 7, n. 2, jul./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2016.

MONTIBELLER FILHO, G. Ecodesenvolvimento e desenvolvimento sustentável. Textos de economia, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 131-142, 1993. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2016.

MORETTO, C. F.; SCHONS, M. A. Pobreza e meio ambiente: evidências da relação entre indicadores sociais e indicadores ambientais nos estados brasileiros. In: ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA ECOLÓGICA. VII,. Fortaleza. 2007. Anais… Fortaleza: [s.n.], 28 a 30 de nov. 2007. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). PNUMA, [s.d.]. Disponível em: . Acesso: 06 maio 2016.

PAGLIARIN, A. C; TOLENTINO, Z. T. Desenvolvimento sustentável na perspectiva do princípio da responsabilidade em Hans Jonas. Meritum, Belo Horizonte, v.10, n.1, p. 11-33, jan./jun. 2015. Disponível em:

. Acesso em: 05 maio 2016.

PIRES, M. T. ONU lança índice ‘verde’ para superar PIB e IDH. Veja, Rio de Janeiro, 17 jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2016.

PORTELA, V. F. A Evolução do Pensamento: do conceito de desenvolvimento à desenvolvimento sustentável. EXAMPÃKU, Boa Vista , v. 01, p. 02, 2008.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD).

Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2016.

______. Os objetivos de desenvolvimento sustentável: dos ODM aos ODS. [s.d]. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2016.

REIS, L. B. D; FADIGAS, E. A. A; CARVALHO, C. E. Energia, recursos naturais e a prática do desenvolvimento sustentável. Barueri: Manole, 2005.

ROMEIRO, A. R. Desenvolvimento Sustentável: uma perspectiva econômico-ecológica. Estudos Avançados, São Paulo, v. 26, n. 74, p. 65-92, 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2016.

SARTORI, S.; LATRÔNICO, F.; CAMPOS, L. M. S. Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. XVII, n. 1, p. 1-22, jan./mar. 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2016.

SILVA JÚNIOR, R. D.; FERREIRA, L. C. Sustentabilidade na era das conferências sobre meio ambiente e desenvolvimento: um olhar para ecologia e economia. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. XVI, n. 1, p. 1-18, jan./mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2016.

UNU-IHDP (INTERNATIONAL HUMAN DIMENSIONS PROGRAMME ON GLOBAL ENVIRONMENTAL CHANGE); UNEP (UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME). Inclusive wealth report 2012: measuring progress toward sustainability. Cambridge: Cambridge University Press, 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2016.

WORLD COMISSIONONENVIROMENTANDDEVELOPMENT (WCED). Agosto, 1987. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2016.

ZHOURI, A.; PEREIRA, D. B.; LASCHEFSKI, L. (Org). A insustentável leveza da política ambiental: desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. 288 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.29069/forscience.2017v5n2.e314

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexada em:

                    

          

ISSN 2318-6356

Licença Creative Commons
ForScience: Revista Científica do IFMG   http://formiga.ifmg.edu.br/forscience é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

SalvarSalvarSalvarSalvar