Gestão do capital de giro em operadoras de planos de saúde: uma análise sob a perspectiva do modelo dinâmico

Ewerton Alex Avelar, Antônio Artur de Souza

Resumo - visualizações: 4678


O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados de uma pesquisa que visou analisar a gestão do capital de giro, sob a perspectiva do modelo dinâmico, das operadoras de planos de saúde (OPSs) brasileiras no período de 2012 a 2016. Tal estudo pode ser classificado como descritivo e quantitativo. Foram coletados dados financeiros anuais de 818 operadoras classificadas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) nas seguintes modalidades: autogestão, cooperativa médica, cooperativa odontológica, filantropia, medicina de grupo e odontologia de grupo. Os dados foram analisados por meio das técnicas de estatística descritiva e da estatística do qui-quadrado. Os resultados obtidos na pesquisa empírica demonstram que as estruturas financeiras das OPSs, que evidenciam aspectos da gestão de seu capital de giro segundo o modelo dinâmico, são discrepantes entre as diferentes modalidades de operadoras. Tal constatação foi estatisticamente significativa em todos os anos analisados, conforme a estatística do qui-quadrado. Apesar dessa constatação por modalidade, é importante ressaltar que, no geral, todas operadoras apresentaram uma deterioração de suas estruturas financeiras entre os anos de 2015 e 2016: verificou-se um aumento geral na necessidade de capital de giro dessas organizações, reduzindo sua liquidez.

Palavras-chave: Gestão do capital de giro. Modelo dinâmico. Operadoras de planos de saúde. Estrutura financeira.

Working capital management in healthcare insurance companies: an analysis from the perspective of dynamics model

Abstract

This paper presents the results of a research that aimed to analyze the working capital management of Brazilian healthcare insurance companies (HICs) from the perspective of dynamic model. This study can be classified as a quantitative and descriptive one. We used data from 818 HICs from 2012 to 2016. These HICs are classified in different types according to the national Agency of Supplementary Health (ANS): self-management, medical cooperative, dental cooperative, philanthropy, medicine of group and dentistry of group. The data were analyzed by the following techniques: descriptive statistics and chi-squared statistic. The empirical research shows that financing structures of HICs are different in according to their types (classification of ANS). This difference is considered significant by chi-squared statistic along all the analyzed period. Although these differences exist, it is important to note that the HICs of all types usually presented a deterioration of their financing structures between 2015 and 2016. In this case, it was verified an increase on working capital necessity.

Keywords: Working capital management. Dynamic model. Healthcare insurance. Financing structure. 


Palavras-chave


Gestão do capital de giro. Modelo dinâmico. Operadoras de planos de saúde. Estrutura financeira.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR – ANS. Resolução de Diretoria Colegiada – RDC nº 39, de 27 de outubro de 2000. 2000. Disponível em: . Acesso em: 06 dez. 2015.

______. Sala de Situação. 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2017.

ALMEIDA, R. G.; SANT’ANNA, A. P. Composição Probabilística na Avaliação do Risco de Operadoras de Planos de Assistência à Saúde. Revista Brasileira de Risco e Seguro, v. 6, n. 11, p. 1-34, 2010.

AMBROZINI, M. A.; MATIAS, A. B.; PIMENTA JUNIOR, T. Análise dinâmica de capital de giro segundo o Modelo Fleuriet: uma classificação das empresas brasileiras de capital aberto no período de 1996 a 2013. Revista Contabilidade Vista & Revista, v. 25, n. 2, p. 15-37, maio/ago, 2014.

ARAÚJO, E. A. T.; COSTA, M. L. O.; CAMARGOS, M. A. Mapeamento da produção científica sobre o Modelo Fleuriet no Brasil. Gestão Contemporânea, Porto Alegre, v. 10, n. 14, p. 311-347, 2013.

BRAGA, R. Análise avançada do capital de giro. Caderno de Estudos, n. 3, São Paulo, p. 1-20, 1991.

CAMARGOS, M. A.; CAMARGOS, M. C. S.; LEÃO, L. C. G. Empirically testing the “Fleuriet’s model”: Evidences of Brazilian Market. Business and Management Review, v. 4, n. 3, p. 165-177, 2014.

CARDOSO, R. L. Regulação econômica e escolhas de práticas contábeis: evidências no mercado de saúde suplementar brasileiro. 2005. 154 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2017.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em administração. 7.ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

COSTA, N. R. O regime regulatório e o mercado de planos de saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, n. 5, p. 1453-1462, 2008.

ENGBERG, J. et al. The effect of mergers on firms’ costs: evidence from the HMO industry. The Quarterly Review of Economics and Finance, v. 44, p. 574–600, 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2017.

FLEURIET, M. Fleuriet’s Rebuttal to “Questioning Fleuriet’s Model of Working Capital Management on Empirical Grounds. Social Science Research Network. 2005. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.

FLEURIET, M.; KEHDY, R.; BLANC, G. O modelo Fleuriet, a dinâmica financeira das empresas brasileiras: um modelo de análise, orçamento e planejamento financeiro. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

FRANCISCO, J. R. et al. Gestão Financeira do Segmento Bancos como Processo de Tomada de Decisão: Aplicação do Modelo Dinâmico. Pensar Contábil, v. 14, n. 55, p. 41-51, 2012.

GITMAN, L. J. Princípios de administração financeira. 12. ed. São Paulo: Pearson, 2010.

GUIMARÃES, A. L. S.; NOSSA, V. Working capital, profitability, liquidity and solvency of healthcare insurance companies. Brazilian Business Review, v. 7, n. 2, p. 37-59, 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2017.

LIMA, C. A. et al. Análise financeira sob a luz do modelo dinâmico: um estudo no setor de telefonia fixa brasileira listado na Bovespa no período de 2008 a 2013. Revista Eletrônica de Administração, v. 14, n. 2, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

MACHADO, M. A. V.; MACHADO, M. R.; CALLADO, A. L. C. Análise dinâmica e o financiamento das necessidades de capital de giro das pequenas e médias empresas localizadas na cidade de João Pessoa, PB: um estudo exploratório. BASE – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 3, n. 2, p. 139-149, 2006.

MAGALHÃES, R. S. et al. A utilidade da informação contábil no processo de fiscalização e controle das operadoras de plano de saúde pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Revista Ambiente Contábil, v. 7, n. 2, p. 53-75, 2015.

MALHOTRA, N. K.; BIRKS, D. F. Marketing Research. 3 ed. Harlow: Prentice Hall, 2007.

MANN, Prem S. Introdução à estatística. 5 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

MARQUES, J. A. V. C.; BRAGA, R. Análise dinâmica do capital de giro: o modelo dinâmico. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 3, p. 49-63, 1995.

PADOVEZE, C. L.; BENEDICTO, G. C. Análise das demonstrações financeiras. 3. ed. São Paulo: Cengace Learning, 2014.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. H.; LUCIO, P. B. Metodologia de pesquisa. 3. ed. São Paulo: MacGraw-Hill, 2006.

SANCOVSCHI, M.; MACEDO, M. A. S.; SILVA, J. A. Análise das Intervenções da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Através dos Índices de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS). Contabilidade, Gestão e Governança, Brasília, v. 17, n. 2, p. 118-136, 2014.

SOUZA, A. A. et al. Analysis of operating performance of Brazilian health plan. Systems & Management, v. 11, n. 2, p. 175-182, 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2017.

THEISS JÚNIOR, F. C.; WILHELM, P. P. H. Análise do capital de giro: modelo dinâmico versus modelo tradicional. Revista de Gestão de Negócios, v. 5, n. 3, p. 1-11, 2000.

UKAEGBU, B. The significance of working capital management in determining firm profitability: Evidence from developing economies in Africa. Research in International Business and Finance, v. 31, p. 1–16, 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2017.

VARELLA, D.; CESCHIN, M. A saúde dos planos de saúde: os desafios da assistência privada no Brasil. São Paulo: Paralela, 2014.

VIEIRA, M. V. Administração estratégica do capital de giro. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.29069/forscience.2018v6n1.e300

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexada em:

                    

          

ISSN 2318-6356

Licença Creative Commons
ForScience: Revista Científica do IFMG   http://formiga.ifmg.edu.br/forscience é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

SalvarSalvarSalvarSalvar