Rede de cooperação interorganizacional de pequenos produtores: uma análise da confiança

Denise Figueiró Mendes

Resumo - visualizações: 126


O estudo sobre as redes de cooperação vem crescendo e deve ao surgimento da nova competição, à emergência das tecnologias da informação e comunicação, e à inserção da análise de redes como disciplina acadêmica. Dessa forma, as redes interorganizacionais representam uma forma particular de organização e são caracterizadas por relações de troca entre os parceiros, onde a cooperação é um processo fundamental e a confiança é essencial. Assim, este artigo teve como principal objetivo identificar as relações interorganizacionais cooperativas entre a Cooperativa Agropecuária de Esteios Ltda (COOESTEIOS) e seus principais parceiros, verificando a influência da confiança no processo de desenvolvimento desses relacionamentos. Através de entrevistas semiestruturadas, análise de documentos referentes ao processo de concepção e sustentação desses relacionamentos e observação espontânea, pode-se concluir que, nesta relação, a confiança entre os atores é forte e suas relações são puramente sociais, baseadas na característica e etnia dos parceiros, nas quais o capital social e a relação de coexistência e cooperação fortalecem a parceria, sem a necessidade de haver qualquer tipo de acordo formal.

Palavras-chave: Relações interorganizacionais. Confiança interorganizacional. Cooperativa de pequenos produtores.

Abstract

Interorganizational cooperative relations: a trust analysis

The study on cooperation networks has been growing and it is due to the emergence of new competition, the emergence of information and communication technologies, and the insertion of network analysis as an academic discipline. In this way, interorganizational networks represent a particular form of organization and are characterized by relations of exchange between partners, where cooperation is a fundamental process and trust is essential. Thus, this article had as main objective to identify the interorganizational cooperative relations between the Cooperativa Agropecuária de Esteios Ltda (COOESTEIOS) and its main partners, verifying the influence of the trust in the process of development of these relationships. Through semi-structured interviews, documentation analysis regarding the process of conception and support of these relationships and spontaneous observation, it was possible to point out that, in this relationship, trust between the actors is strong and their relationships are purely social, based on the characteristics and ethnicity of the partners, where social capital and coexistence and cooperation relationships strengthen the partnership, without the need for any kind of formal agreement.

Keywords: Interorganizational relations. Inteorganizational trust. Small producers cooperative.

 



Palavras-chave


Relações inteorganizacionais. Confiança inteorganizacional. Cooperativa de pequenos produtores.

Texto completo:

PDF

Referências


AMATO NETO, J. A. Redes de cooperação produtiva: uma revisão conceitual. In: AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, 2001.

AULAKH, P. S.; KOTABE, M.; SAHAY, A. Trust and performance in cross-border marketing partnerships: Behavioral Approach. Journal of International Business Studies, v. 27, n. 5, 1996, p. 1005-1032. DOI: 10.1057/palgrave.jibs.8490161

BARNEY, J. B.; HANSER, M. H. Trustworthiness as a Source of Competitive Advantage. Strategic Management Journal, v. 15, n.S1, 1994, p. 175-190.

BENGTSON, M.; KOCK, S. Cooperation and competition in relationships between competitors in business networks. Journal of business & industrial marketing, v. 14, n. 3, 1999, p. 178-193.

BORGATTI, S. P.; FOSTER, P. The network paradigm in organizational research: a review and typology. Journal of Management. n. 29, v. 6, 2003, p. 991-1013.

BRITTO, J. Cooperação interindustrial e redes de empresas. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. (Org.) Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

CASAROTO FILHO, N.; PIRES, L. H. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local: estratégias para a conquista da competitividade global com base na experiência italiana. São Paulo: Atlas, 1999.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

COLEMAN, J. S. The foundations of social theory. Cambridge, Mass: Harvard University Press, 1990.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

COOKE, P. Regional innovation and learning systems, clusters, and local and global value chains. In: BRÕCKER, J.; DOHSE, D.; SOLTWEDEL, R. (Ed.) Innovation clusters and interregional competition. Berlin: Springer, 2003. cap. 3, p. 28-51.

CUNHA, C. R. A confiança nas relações interorganizacionais cooperativas: estudo múltiplo de casos em empresas de Biotecnologia no Brasil. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

CUNHA, C. R.; MELO, M. C. O. L. A confiança nos relacionamentos interorganizacionais: o campo da biotecnologia em análise. RAE-electrônica [online], v. 5, n. 2, 2006. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1676-56482006000200009.

DIAS, R. Sociologia das organizações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

EBERS, M. Explaining inter-organizational network formation. In: EBERS, M. The formation of inter-organizational networks. Oxford: Oxford University Press, 2002.

FUKUYAMA, F. Confiança: as virtudes sociais e a criação da prosperidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

GAMBETTA, D. Trust: making and braking cooperative relations. Cambridge, MA: Blackwell, 1988.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. cap. 4, p. 41-58; cap. 12, p. 137-142.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GRANDORI, A.; SODA, G. Inter-firm networks: antecedents, mechanisms and forms. Organizational studies, v. 16, n. 2, 1995, p.1-19.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LANE, C. Theories and issues in the study of trust. In: LANE, C.; BACHAMANN, R. (Ed.) Trust within and between organizations: compectual issues and empirical application. New York: Oxford University Press, 1998.

LEANA, C. R.; VAN BUREN, H. J. Organizational social capital and employment practices. Academy of Management Review. v. 24, n. 3, jul.1999, p. 538-555.

LOCKE, R. M. Construindo confiança. Econômica, v. 3, n. 2, dez 2001, p. 253-281.

LUHMANN, N. Trust and power. Chichester: John Wiley, 1979.

MALAFAIA, G. C. et al. Capital Social e a Construção da Confiança em Redes de Cooperação: Mudando padrões de relacionamento na pecuária de corte. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO (EnANPAD), 31., 2007, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

OLIVER, C. Determinants of interorganizational relationships: integration and future directions. Academy of Management Review, v. 15, n. 2, 2006, p. 241-265.

PARSONS, T. Structure and process in modern societies. New York: The Free Press, 1960.

PERROW, C. Small-firm networks. In: NOHRIA, N.; ECCLES, R. G. Networks and organizations: structure, form, and action. Boston: Harvard Business School Press, 1992.

RING, P. S.; VAN DE VEN, A. H. Developmental process of cooperative interorganizational relationships. Academy of Management Review, v. 19, 1994, p. 90-118.

SELLTIZ, J. D. C. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU, 1974.

SHAPIRO, S. P. The social control of impersonal trust. American Journal of Sociology, v. 93, n. 3, 1987, p. 623-658.

THESEK, C. N. L. Cultura da cooperação: uma abordagem psicossocial em uma cooperativa de trabalho. Revista Gestão & Tecnologia, v. 7, n. 1, jan/jun 2006, p. 93-113.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

TZAFRIR, S. S.; HAREL, G. H. Trust-ME: a scale for measuring manager-employee trustworthiness. Academy of Management Review, Mississippi State, Aug, 2002.

VELUDO, M. L.; MACBETH, D.; PURCHASE, S. Framework for relationships and networks. Journal of Business & Industrial Marketing, v. 21, n. 4, 2006, p. 199-207.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZANINI, M.T. Confiança: o principal ativo intangível de uma empresa: pessoas, motivação e construção de valor. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

ZUCKER, L. G. Production of trust: institutional sources of economic structure, 1840 – 1920. Research in organizational behavior, v. 8, 1986, p. 53-111.




DOI: http://dx.doi.org/10.29069/forscience.2019v7n1.e284

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexada em:

                    

          

ISSN 2318-6356

Licença Creative Commons
ForScience: Revista Científica do IFMG   http://formiga.ifmg.edu.br/forscience é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

SalvarSalvarSalvarSalvar