Efeito do pré-tratamento corona em materiais lignocelulósicos

Janaína Alves Carvalho, Maria Lúcia Bianchi, Willian Miguel da Silva Borges, Mohana Zorkot Carvalho, Marco Aurélio de Lima Silva Rossi, Kassiana Teixeira Magalhães

Resumo - visualizações: 2770


Processos de pré-tratamento em biomassa lignocelulósica são essenciais a fim de tornar o material mais disponível a reações. Modificar a cristalinidade, a porosidade ou a acidez superficial dos materiais pode aumentar o rendimento em reações.  Dessa forma, estudos direcionados a novos pré-tratamentos são importantes para analisar seu efeito no rendimento em uma reação específica e tornar mais viável a utilização dessa matéria-prima. Este trabalho utilizou o equipamento de tratamento Corona, em bagaço de cana-de-açúcar, analisando o efeito causado em diferentes tempos de exposição. Foram realizadas reações de hidrólise ácida, e os resultados analisados com % de ART (açúcares redutores totais) apresentaram uma diminuição na disponibilidade de açúcares. Em relação à cristalinidade, houve aumento considerável das amostras tratadas em comparação às amostras in natura. Na adsorção, foi observado que a superfície do bagaço é tendenciosamente negativa, pois maiores valores foram encontrados com o corante catiônico, no qual o tratamento corona prejudicou a adsorção em função do tempo de exposição. Pôde-se observar que o tratamento corona proporcionou modificações na estrutura das fibras do bagaço, tendo efeito sobre as análises e reações.

Palavras-chave: Bagaço de cana-de-açúcar. Pré-tratamento. Corona.

Pretreatment corona effect on lignocellulosic materials

Abstract

Pretreatment of lignocellulosic biomass processes are essential in order to make the material more available for reactions. Modifying crystallinity, porosity and surface acidity of materials can increase the yield reactions. Thus, studies directed to new pretreatments are important to analyze their effect on performance in a specific reaction, and make it viable to use this raw material. This study used the Corona treatment equipment in sugar cane bagasse, analyzing the effect of different exposure times. Acid hydrolysis reactions were performed and the results analyzed by % of TRS(total reducing sugars) showed a decrease in the availability of sugars. Regarding the crystallinity, it wassubstantially increased for treated samples compared with in natura samples. In the adsorption, it was observed that the bagasse surface is negatively biased, because higher values were found with cationic dye, wherein the corona treating impaired adsorption as a function of exposure time. It can be seen that the corona treatment provided modifications in the structure of bagasse fibers having effect on the analyzes and reactions.

Keywords: Bagasse sugar cane. Pretreatment. Corona.


Palavras-chave


Bagaço de cana-de-açúcar. Pré-tratamento. Corona

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, V. O etanol de segunda geração está próximo? 2014. Disponível em:

BOSCO, F. Novo status para o bagaço. AlcoolBrás, São Paulo, n. 121, p.1-2, dez. 2009.

KOSTOV, K.G. et al. Study of polypropylene surface modification by air dielectric barrier discharge operated at two different frequencies. Surface & Coatings Technology, Amsterdã, v. 234, p. 60-66, nov, 2013.

MILLER, G. L. Use of dinitrosalicylic acid reagent for determination of reducing sugar. Analytical Chemistry, Washington,v. 31, n. 3, p. 426-428, mar,1959.

QU,G. Z. et al. Surface modification of a granular activated carbon by dielectric barrier discharge plasma and its effects on pentachlorophenol adsorption. Journalo Electrostatics, Amsterdã, v. 71.4,p. 689-694, aug, 2013.

SEGAL, L. et al. An empirical method for estimating the degree of crystallinity of native cellulose using the Xraydiffractometer. TextileResearchJournal, Princeton, v. 29, n. 10, p. 786-794,oct, 1959.

SILVA, R. L.; SILVA, A. M. P. Bioenergia da biomassa residual: potencial energético da combustão da casca de arroz em Dourados-MS e região. Revista Brasileira de Energias Renováveis, Curitiba, v. 5, n. 1 p. 91-105, jan./mar., 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.29069/forscience.2017v5n2.e281

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexada em:

                    

          

ISSN 2318-6356

Licença Creative Commons
ForScience: Revista Científica do IFMG   http://formiga.ifmg.edu.br/forscience é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

SalvarSalvarSalvarSalvar